Por: Assessoria de Imprensa | Publicado em: 15/12/2017 13:18:49

Jornalista e refugiado sírio conversaram com os adolescentes sobre suas realidades no trabalho voluntário e na luta pela vida em região de guerra

 

Adolescentes que cumprem medida socioeducativa no CASA Santo André I, em Santo André, na Região Metropolitana de São Paulo, nesta sexta-feira (15/12) de palestras sobre a importância do voluntariado para refugiados, com a jornalista e voluntária Alethea Rodrigues, e com o sírio, refugiado no Brasil desde 2014, Abdulbaset Jarour, que é vice-presidente da organização África do Coração.

Jarour falou sobre o que enfrentou na guerra da Síria, na cidade onde morava, Aleppo, onde era empresário do ramo da construção de casas e comercializava produtos eletrônicos, além de estudar Administração de Empresas na Universidade local.

Para tentar uma nova vida, fugiu para o Líbano e, de lá, embarcou para o Brasil, onde chegou sem conhecer ninguém e sem saber o idioma. Após receber apoio de brasileiros, conseguiu seguir em frente.

Jarour também falou com os adolescentes sobre os conflitos no Oriente Médio, sobre a cultura de sua terra natal e sobre a religião muçulmana. Hoje, ele auxilia outros refugiados na capital paulista e é um dos responsáveis pela organização da Copa dos Refugiados que, em 2017, realizou a quarta edição do campeonato de futebol que refugiados de diversas nacionalidades.

Já Alethea contou sua experiência no auxílio às crianças órfãs e refugiadas de guerras recentes, como a da Síria. Em seu projeto, a jornalista realizou um registro onde se destacam os sorrisos e sonhos dessas crianças.

De acordo com a coordenadora pedagógica do centro, Alaide M. Dias da Costa, a palestra ajudou os jovens a conhecerem um pouco do cotidiano de pessoas que realizam trabalhos voluntários. “Temos como objetivo plantar a semente do voluntariado nesses adolescentes”, concluiu.

Na palestra, os oito adolescentes que atuaram, na última quinta-feira (14/12), como monitores e recreadores durante a ação do centro com as crianças atendidas pelo Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância do ABCD (CRAMI), realizada na Campanha Natal Solidário do Polo ABCD, também contaram como foi atuar como voluntários com meninos e meninas em situação de vulnerabilidade.