Por: Assessoria de Imprensa | Publicado em: 08/05/2020 15:44:31

Participam dessa iniciativa os centros socioeducativos pertencentes à DRVP

 

Com 19 adolescentes atendidos, os centros da Fundação CASA localizados no Vale do Paraíba e região metropolitana da capital completam nesta sexta-feira (08/05) o primeiro mês de funcionamento da parceria fechada entre a DRVP, da Fundação CASA, e o SAS Brasil, associação sem fins de lucro.

Participam dessa iniciativa pioneira os centros da instituição localizados nas cidades de Lorena, Arujá, Caraguatatuba, Guarulhos, Itaquaquecetuba, Jacareí e São José dos Campos.

Os jovens podem ser atendidos em três modalidades: as teleconsultas (realizadas entre o profissional da saúde e o paciente, que pode estar acompanhado por um funcionário do local); a teleorientação (para dúvidas frequentes e aconselhamento sobre riscos e procedimentos relacionados à saúde, higiene, cuidados etc.) e o telemonitoramento (para os casos específicos de suspeita de contágio pela covid-19 mas que não tenham indicação de internação).

Os atendimentos são realizados por mais de 40 médicos com especialidades variadas: psiquiatras, pediatras, oftalmologistas, dermatologistas e ginecologistas.

De acordo com a diretora da DRVP, Marcela Rehder, a parceria possibilitou a redução nos deslocamentos e também teve um excelente índice de efetividade. “Nosso foco era aderir o máximo possível a política de distanciamento social, protegendo tanto adolescentes quando servidores da necessidade de se deslocarem para hospitais”, comentou.

Outro ponto destacado pela diretora foi o reconhecimento dos jovens. “Eles até escreveram cartas agradecendo pelo atendimento realizado. Está sendo uma grande oportunidade de facilitar o acesso desses jovens a consultas especializadas”, acrescente.

Desde o início da epidemia do Coronavírus no país, o SAS Brasil tem oferecido alternativas para levar atendimento médico e psicológico a comunidades carentes, de forma a evitar que as pessoas saiam de casa e se dirijam a hospitais ou postos de saúde, onde há risco elevado de contaminação.

Com a regulamentação pelo Ministério da Saúde, no fim de março, do uso da telemedicina no enfrentamento da epidemia, a associação desenvolveu um sistema próprio de prontuário para a realização das consultas, seguindo protocolos de segurança de dados e de informação. “Entendemos que esse é um momento excepcional para disponibilizar atendimento médico à distância, reduzindo assim as chances de exposição para toda a população”, concluiu a coordenadora de Saúde do SAS Brasil, a médica Adriana Mallet.