Por: Assessoria de Imprensa | Publicado em: 14/03/2019 16:07:02

Prezados servidores,

Na última quinta-feira, 28 de fevereiro, nos reunimos com a direção do Sindicato da Socioeducação de São Paulo – SITSESP e com a Comissão de Servidores, que elegeram algumas cláusulas da campanha salarial de 2019, como prioridades para negociação. Com o intuito de manter a comunicação mais próxima, transparente e aberta, trago para vocês os itens discutidos na reunião:

Cláusulas Item
   Reajuste Salarial
   Instituição do Piso Salarial
   Programa de Bonificação por Resultados
10ª    Reajuste do Vale Refeição
11ª    Reajuste do Vale Alimentação
17ª    Regulamentação da Carreira do Agente de Apoio Socioeducativo
20ª    Jornada de 30 (trinta) horas semanais para o Setor Pedagógico
21ª    Reajuste Salarial e Valorização do Setor Operacional



Sobre os pedidos de reajuste do salário, do vale refeição, do vale alimentação e da manutenção do Programa de Bonificação por Resultados, já encaminhamos para os órgãos competentes analisarem. Em breve retornaremos com os resultados.
Após tratarmos sobre cada ponto levantado, chegamos a algumas conclusões e estamos agindo para, diante das possibilidades, torna-los factíveis. Vejam abaixo:

No que diz respeito à adoção da jornada máxima de 30 (trinta) horas semanais, sem redução salarial e dos benefícios aos empregados do setor pedagógico, optamos por, neste momento, manter a mesma posição das análises dos pleitos anteriores e, em um momento futuro, retomaremos os estudos para avaliar a viabilidade.

Criaremos uma comissão para analisar as demandas relacionadas às clausulas 4ª, 17ª e 21ª, tendo em vista que suas aprovações impactariam diretamente no Plano de Cargos e Salários, instituído em 2013.

Importante destacar que, além da nossa disposição para analisar os dados e estudar formas para viabilizar os pontos destacados acima, já existem discussões no Congresso Nacional sobre a mudança da nomenclatura da carreira de Agente de Apoio Socioeducativo. Além disso, sobre a mudança da jornada máxima de 30 horas, há um projeto de lei na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, que propõe a redução da jornada de trabalho não apenas para o setor pedagógico, mas para todos os servidores da Fundação CASA-SP.

A próxima reunião com a direção do sindicado e a comissão de servidores ficou programada para abril. Se até lá surgirem novas informações, um novo comunicado será enviado para mantê-los informados.

Paulo Dimas Mascaretti
Secretário da Justiça e Cidadania e
Presidente da Fundação CASA