Por: Assessoria de Imprensa | Publicado em: 05/12/2018 18:03:36

Adolescentes conheceram manifestações culturais do Amapá, no contexto da discussão de direitos humanos e diversidades

 

Adolescentes com olhares curiosos ao ver um tambor de percussão de marabaixo, ritmo típico da região da Amazônia, especificamente no Estado do Amapá. Os ouvidos estiveram atentos às histórias sobre quilombolas e povos indígenas.

A apresentação dos oito participantes do projeto Amazonizando Sampa no último sábado (1º de dezembro) no CASA Mário Covas, no Complexo da Vila Maria, na capital paulista, foi regada à troca entre culturas, diversidade e discussão sobre direitos humanos.

A iniciativa de levar aos adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa de internação um pouco da cultura amapaense, tão distinta da existente na Região Sudeste, partiu da Comissão de Direitos Humanos e Diversidades do centro socioeducativo.

“Queríamos que os jovens, os familiares presentes e os funcionários refletissem sobre o ser no mundo, como ele se manifesta numa cultura diversa, como a amazônica, e as suas peculiaridades”, avalia o pedagogo Anderson Soares de Souza, responsável pelo contato com a trupe.

A atividade pedagógica começou pela apresentação dos integrantes do projeto, surgido em 2018 na Oficina Cultural Alfredo Volpi, em São Paulo, ao som dos toques dos tambores de marabaixo. Em seguida, eles contaram histórias dos povos quilombolas e indígenas, discutindo direitos humanos e diversidades.

O mestre Ivamar dos Santos, integrante do Amazonizando Sampa, lembrou as experiências que viveu em sua jornada pela África. Santos, aliás, já trabalhou na Fundação CASA, na época da Fundação Estadual para o Bem-Estar do Menor.

A agente de apoio operacional Valkíria Veloso, que atua no CASA Mário Covas, é amapaense e também se apresentou com o grupo.

“Pudemos refletir com os adolescentes questões sobre a propriedade do ser, correlacionando com as vivências que tiveram nas periferias onde vivem, mostrando o cruzamento das duas experiências”, explica Souza.

A Festa do Marabaixo é uma manifestação cultural do Amapá que existe há mais de 200 anos e reúne música, dança, gastronomia e religiosidade. Ela ocorre ao longo de 61 dias, no calendário cristão, entre o sábado de Aleluia e o domingo pós Corpus Christi, em louvação ao Divino Espírito Santo e a Santíssima Trindade.