Por: Assessoria de Imprensa | Publicado em: 16/03/2020 16:46:27

Confira as orientações que o médico Claudio Roberto Gonsalez, do Instituto Emílio Ribas, deu em evento na Sede da Fundação CASA

 

O médico Infectologista e supervisor-geral do Pronto Socorro do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, Claudio Roberto Gonsalez, ministrou palestra na última sexta-feira (13 de março) sobre o novo Coronavírus, que causa a doença COVID-19, para funcionários da Fundação CASA, na Sede, na capital paulista.

A íntegra do vídeo com a palestra gravada está disponível no canal da Fundação CASA no YouTube.

Em sua explicação, Gonsalez ressaltou que “a gripe comum mata mais que o Coronavírus”, procurando orientar os servidores e tranquilizar sobre a gravidade da doença.

 

DRH informa sobre licença para servidores que viajaram ou tiveram contato com viajantes de países infectados

DRH orienta sobre protocolos de prevenção ao Coronavírus

Superintendência de Saúde estabelece procedimentos durante pandemia

 

No início da palestra, o infectologista explicou a origem do vírus, sua propagação na China e no mundo, os principais sintomas e sobre a letalidade da doença.

De acordo com Gonsalez, somente 20% dos infectados por Coronavírus apresentarão os sintomas mais graves, que tem como grupo de risco os idosos com mais de 80 anos e/ou portadores de alguma comorbidade.

Além disso, ele destacou que a principal forma de transmissão ocorre pelas vias áreas por meio de gotículas. Por isso, a recomendação de manter distância de 1 a 2 metros dos doentes.

Outro ponto abordado foi a questão do que fazer caso apresentar sintomas como febre, coriza e falta de ar. “A principal recomendação é utilizar a máscara para evitar a propagação do vírus e tomar as demais medidas profiláticas, como lavar as mãos e cobrir o rosto ao tossir ou espirrar”, destacou o médico.

Ele esclareceu ainda em que momento devemos buscar atendimento médico. “Somente se tiver dificuldade respiratória aguda, ou seja, não conseguir caminhar sem sentir muito cansaço ou falta de ar. Somente nesses casos é necessário buscar atendimento. Nos demais, deve se manter o mesmo procedimento: uso de máscara e higiene”, concluiu.