Por: Assessoria de Imprensa | Publicado em: 28/11/2018 10:15:58

Conquista foi inédita para o centro, que realiza um trabalho frequente de debate sobre políticas públicas com os adolescentes

 

Dois jovens que cumprem medida socioeducativa no CASA Vitória Régia (DRO) foram eleitos, na última quinta-feira (22/11), como delegados e participarão da Conferência Lúdica Regional dos Direitos da Criança e do Adolescente, que deve ser realizada em 2019.

Essa é a primeira vez que os jovens do centro socioeducativo foram eleitos como delegados e poderão dar prosseguimento aos debates. Para chegar nessa etapa, esses adolescentes participaram de duas outras conferências: uma dentro do centro socioeducativo e outra externa.

As conferências ocorridas dentro do centro, inclusive, já renderam frutos e colaboraram para diminuir o índice de internações de jovens da cidade de Lins, com explica a diretora do CASA Vitória Régia, Rosimeire Oliboni. “No ano passado tivemos, em média, 15 adolescentes de Lins sendo internados no centro por mês. Após a carta, elaborada com os jovens, tivemos, nos últimos 11 meses de 2018, apenas 41”, disse.

A carta, que Rosimeire menciona, foi resultado de uma conferência livre, realizada no CASA com o apoio do conselho gestor. “Decidimos fazer esse debate para ouvir dos próprios adolescentes o que era necessário e o que poderia ser feito para se reduzir essas internações”, comentou.

Os debates se transformaram em uma carta aberta, que foi entregue para as autoridades. Segundo a diretora foi justamente na conferência cujos os jovens foram eleitos delegados que todos descobriram o resultado do documento. “O presidente do CMDCA nos disse que, por conta da carta, foi possível disponibilizar recursos e ampliar o atendimento da ONG Olaria. Antes, eles atendiam a duas crianças apenas. Hoje, atendem por volta de 40 ”, destacou.

“Com todo o trabalho em conjunto, entre a Fundação CASA, o Sistema de Garantia de Direitos e demais entidades, possibiliamos a ampliação de políticas públicas e a proteção da juventude em locais de risco social”, concluiu Rosimeire.