Por: Assessoria de Imprensa | Publicado em: 14/08/2020 15:54:15

Agente educacional e adolescente elaboraram monólogos que abordaram vídeos como o caso de preconceito sofrido por entregador de aplicativo

 

Como forma de gerar o debate e a conscientização sobre a questão do racismo, adolescentes e servidores participaram nesta sexta-feira (14/08) de oficinas sobre o tema, elaboradas a partir de fatos do cotidiano.

Por meio de uma roda de debates, conduzida pelo agente educacional, Robinson Pereira de Araújo, o tema foi tratado de maneira técnica, através de números e gráficos, e também com um bate-papo sobre situações do cotidiano que passam desapercebidas, como piadas e expressões pejorativas.

Além disso, com o apoio do adolescente José (nome fictício), o agente educacional criou um monólogo para abordar o preconceito sofrido por um entregador de aplicativo. O assunto ganhou destaque na última semana, quando o vídeo foi divulgado e repercutiu nas redes sociais.

Outro vídeo que foi abordado no monólogo foi um experimento social feito com crianças, onde elas são orientadas a ofender uma pessoa negra e não conseguem, pois elas questionam a razão de terem de fazer isso, refutando o ato racista.

Como explica o diretor do centro, Luciano de Fraga, os debates gerados pela roda de conversa foram muito positivos. “Durante a vida somos levados a experimentar várias situações, e em muitos desses casos enxergamos o preconceito em outras pessoas e até mesmo sofremos com eles. O evento foi muito válido e queremos, em breve, repetir o encontro para enfatizar o tema e expandi-lo para outros assuntos”, concluiu.